Follow by Email

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Era Vargas



Legado

O Governo de Getúlio Vargas se torna fundamental para a formação do Brasil contemporâneo. O desmantelamento dos poderes estaduais e o fortalecimento de um governo central, o papel do Estado como principal investidor na economia, a criação de mecanismos sociais (como o sufrágio universal e a Consolidação das Leis do Trabalho) etc., serão figuras centrais durante as décadas seguintes na História brasileira.
A enorme importância de seu primeiro regime, entretanto, não conseguiu ser repetida. Ao reassumir o posto de presidente, em 1951, Vargas passa a governar em regime democrático, o que o enfraquece sensivelmente. Após anos de pressões políticas, Getúlio Vargas não suportou, e se suicidou com um tiro no peito, em 24 de agosto de 1954. Em uma carta-testamento, afirmava que sempre pertenceu ao povo. Em um dos últimos trechos havia a frase que ficou para a posteridade: "… Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.".


Opositores de G. Vargas

Como o seu regime era de Direita (já que era inspirado nas ideias fascistas da época), os principais opositores eram os comunistas, com destaque para o casal Luis Carlos Prestes e Olga Benário (esta inclusive foi deportada para a Alemanha nazista e depois morta por intermédio do Governo Vargas em 1937, período de implementação do Estado Novo no Brasil).

Agora durante o seu segundo mandato, como republicano democrático, o principal opositor a ele era o jornalista Carlos Lacerda, uma vez que Vargas arquitetou um atentado contra ele, fato que ficou conhecido como "Atentado da Rua Tonelero", e que culminou em seu suicídio num hotel de Guarujá (SP) em 1954.



Pai dos pobres e mãe dos ricos

Pai dos pobres porque ele fazia questão de passar através do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), a imagem de que estava ajudando a classe trabalhadora através da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), onde o trabalhador passou a adquirir o direito á férias remuneradas e horas diárias de trabalho não superior a oito, etc. Essas concessões na realidade era um propósito de Vargas, pois, assim ele estaria com o sindicato em suas mãos, podendo intermediar muitas vezes em favor da classe empregadora (mãe dos ricos). Ainda a vinda de algumas companhias siderúrgicas favorecendo a industrialização no país. Na realidade Getúlio Vargas fazia jogo duplo.







Nenhum comentário:

Postar um comentário